11 de julho de 2010

Adultos se preocupam que Eclipse não tenha bons modelos de conduta para adolescentes

A Saga Crepúsculo: Eclipse está no topo das bilheterias, mas enquanto a heroina Bella Swan se dirige inevitavelmente em direção ao casamento com um vampiro, alguns se perguntam se ela é um modelo de conduta tão exemplar para as garotas que acompanham suas aventuras na série altamente popular de livros e filmes.

É a reprise de um velho debate: Será que a cultura pop - livros, filmes, música - pode influenciar o comportamento de adolescente impressionáveis, e no caso de Bella, isso é algo bom ou ruim?

E, a propósito, será que as adolescente são tão impressionáveis? No fim das contas, elas têm lido Romeu e Julieta por 400 anos.

Bella, para os poucos que têm evitado a onda Crepúsculo, é uma adolescente tão apaixonada por um sujeito morto-vivo que está disposta a desistir de tudo e ser transformada em vampira para que eles possam passar a eternidade juntos. O que acrescenta alguma urgência à situação é o fato de Edward Cullen, seu amante vampiro, ser relutante em fazer sexo fora dos laços do matrimônio.

Christine Seifert, professora de comunicação na Westminster College em Salt Lake City que tem estudado comunidades e sites de fan fiction sobre Crepúsculo, diz que a saga tem um forte tom mórmon, e que uma facção da cultura mórmon prefere que as garotas se casem novas e comecem logo suas famílias. Ela diz que a mensagem de abstinência é tão forte que poderia ser classificada como "pornô de abstinência", planejado para convencer adolescentes de que negação sexual é realmente sexy. Vai funcionar?

A autora dos livros Crepúsculo, Stephenie Meyer, é uma mórmon devota que fala [isso] sobre Bella em seu website: "Eu nunca pretendi que as escolhas ficcionais dela fossem um modelo para as escolhas da vida real de ninguém."

Ainda assim, os três filmes até agora e os quatro livros impressos deixam alguns pais nervosos sobre a saga ser ou não apropriada para pré-adolescentes, mesmo sem considerar os vampiros. Crepúsculo, é bom notar, foi o número 5 na lista de 2009 de livros desafiados ou banidos de escolas e bibliotecas, de acordo com a American Library Association.

Mensagens 'virtuosas'

Kristy Campbell de Marin County, California, uma mãe não-mórmon de cinco filhos e colunista do Mommytracked.com, diz que não deixa sua filha de 9 anos ler os livros, mas está de acordo que sua filha de 17 anos o faça, desde que mamãe e papai ajudem a explicar a "ficção na ficção". Ela se preocupa que Crepúsculo romantize demais o sexo adolescente e casamento, criando expectativas fora da realidade.

"Eu gostaria de ver Edward e Bella com um ano de casamento adolescente, vivendo no porão de seus pais com uma criancinha gritando, sem planos de faculdade, trabalhando em um 7-Eleven e se perguntando para onde foi a diversão," ela diz.

Kathryn Darden, cristã e escritora freelancer sobre artes e entretenimento para várias publicações online, tem escrito sobre Crepúsculo e diz que há algumas mensagens "virtuosas" na saga, mas "eu nunca a recomendei para adolescentes (sem supervisão) - é preciso que ela seja lida por pais e discutida antes."

Amy Best, uma professora adjunta de sociologia na George Mason University na Virginia que estuda adolescentes e cultura popular, diz que adultos tendem a entrar "um pouco em pânico" quando adolescentes investem muito em uma personagem em particular, e há uma longa lista de personagens que têm sido "problemáticas" em algum nível. Mas ela diz que o "modelo de emulação" não é seguido por todos os adolescentes, mesmo os obcecados.

"Deveríamos reconhecer que os adolescentes desenvolvem relações complicadas com a mídia e para alguns isso pode inspirar uma trajetória particular de ação, mas para outros também é uma oportunidade de trabalhar as ideias," ela diz. "Escute-os e não assuma quais mensagens os adolescentes estão tirando de Crepúsculo ou qualquer outro livro ou filme."

De fato, pergunte aos adolescentes se eles levam Crepúsculo a sério o suficiente para imitar Bella, e eles vão revirar os olhos. Alô, há vampiros envolvidos; é claro que é faz-de-conta!

"É meio que uma situação especial - um romance de fantasia," diz Michelle Pan, pacientemente, falando do acampamento de verão. Ela tem 17 anos, é fundadora de um website popular, BellaAndEdward.com (aproximadamente 300.000 acessos por mês) e autora de um novo livro de fãs, Bella Deveria Ter Dado o Fora em Edward: Visões Controversas e Debates Sobre a Série Crepúsculo. "Eu não acho que (os fãs) sejam influenciados; para a maior parte dos leitores, há uma clara distinção de que isso é fantasia e é separada de sua vida real."

Os fãs que batem papo sobre Crepúsculo no site de Pan e em seu livro estão mais interessados em discutir questões como "Será que a série seria tão interessante se Bella escolhesse Jacob (o lobisomem) no lugar de Edward?" e "Que talento especial de vampiro é mais útil?" Eles também discutem a esquisitice do "imprinting", que é como Meyer chama quando transmorfos como lobisomens encontram a pessoa com a qual estão destinadas a ficar.

A porta-voz adulta para a editora de Pan, Karma Bennett da Ulysses Press, não tem tanta certeza se gosta da ideia de um homem escolher sua parceira para a vida toda com um único olhar, e alguns dos fãs nos livros de Pan concordam. Mas outros não têm problemas com isso. Uma garota, identificada como Dayi, 19 anos, da Georgia, diz até que gostaria que todo mundo pudesse sofrer imprinting porque tornaria encontrar uma alma gêmea mais fácil e amansaria o comportamento errático dos homens.

Melissa Click, professora de comunicação na Universidade do Missouri e coautora de um novo livro sobre os fãs, Mordido por Crepúsculo: Cultura Jovem, Mídia & a Franquia Vampira, diz que a mídia tem tratado os adolescentes fãs de Crepúsculo de forma descuidada, fazendo graça deles e desaprovando passivamente a intensidade do amor deles por Crepúsculo. Mas ela diz que os adolescentes que entrevistou são espertos e não se deixam manipular facilmente.

"Elas são inteligentes, e assumir que não podem decodificar mensagens é por si só uma mensagem anti-feminista," Click diz. Críticos que reclamam que adolescentes Twihard estão "fora de controle, vejam como eles são estúpidos, Deus, temos que protegê-los - bem, eles não dizem isso sobre fãs do Homem de Ferro."

Os fieis estão divididos

Mas até alguns companheiros mórmons de Meyer não estão empolgados com Crepúsculo: Deseret Books, uma cadeia de 38 livrarias com sede em Salt Lake e afiliada à igreja mórmon, retirou os livros das prateleiras ano passado por solicitação dos clientes, ainda que os livros estejam disponíveis através de pedido especial, diz a porta-voz Gail Halladay.

"Muitos de nossos clientes ficaram chateados e sentiram que não era conteúdo apropriado para o público a que se destinava," ela diz. "Nós precisávamos agradar nossos consumidores. Foi uma decisão de negócios."

Enquanto isso, organizações cristãs conservadoras que buscaram banir os livros de Harry Potter porque eles são sobre magos e bruxas estão divididas a respeito de criticar Crepúsculo.

Roberta Combs, presidente da Coalisão Cristã da América, que votou pelo banimento da série de Potter, diz que está considerando uma campanha similar contra Crepúsculo porque ainda que seja a favor da abstinência, também é a favor de vampiros.

Ela diz que vampiros definitivamente não são bons modelos de conduta, e culpa Hollywood.

"Podemos nos fazer ouvir, e a qualquer momento que você faça isso haverá um efeito, de um jeito ou de outro," Combs diz. "Estes livros de Crepúsculo são muito perturbadores para os valores familiares. Casamento na adolescência não é o padrão, mas a parte mais preocupante são os vampiros. Simplesmente não é normal que os jovens idolatrem um vampiro."

O que diz Gordon Robertson, Superintendente da Christian Broadcasting Network, que condenou Harry Potter por medo dos livros inspirarem jovens a tentar jogar feitiços: "Ao invés de proibir o acesso, use-o como um motivo para conversar com seus adolescentes."

Crepúsculo tem coisas questionáveis (como o comportamento perseguidor de Edward em relação a Bella), Robertson diz, mas é na maior parte "escapismo romântico" inofensivo que adolescentes são espertos o suficiente para colocar em contexto com a ajuda de seus pais.

Darden diz que uma razão para a divisão é que bruxos são especificamente condenados na Bíblia, enquanto vampiros nem são mencionados. Ainda assim, "muitos leitores cristãos fogem de coisas demoníacas, e (eles acham) que vampiros são demônios," ela diz.

Mas Darden defende que ao menos o primeiro livro de Crepúsculo é apropriado para adolescentes mais velhos (com orientação dos pais) porque os temas são "baseados em fé" e as personagens falam muito sobre suas almas.

"Edward se recusa a transformar Bella (em vampira) porque está preocupado com a salvação dela, ele acha que ser vampiro equivale a ser amaldiçoado," ela diz. "Ele coloca o bem-estar dela acima de qualquer outra coisa, e essa é uma mensagem fortemente positiva. A cultura adolescente muito frequentemente recebe a mensagem oposta vinda de Hollywood."

Nem todo mundo se identifica

Nem toda jovem sonha com um vampiro para chamar de seu.

Jenn Petti, 26, que trabalha em um Hotel em Colorado Springs, leu todos os livros e assistiu o primeiro filme. Ela acha que Bella é bem bobinha.

"Como é que estão até debatendo o papel dela como modelo de conduta?" Petti ironiza.

Bella é "co-dependente," disposta a abandonar seus amigos para ficar com um "macho brilhante e imortal," Petti diz. (Os vampiros de Meyer têm uma pele que brilha como diamantes na luz do sol). "Ela não tem senso de individualidade e só vê seu valor como namorada de Edward, que é o motivo pelo qual quando ele termina tudo, ela passa a maior parte do segundo livro se lamentando."

Petti diz que adolescentes podem aspirar ter o tipo de relacionamento que Bella tem com Edward, mas ela não está convencida de que vão fugir para casar e começar a fazer bebês enquanto jovens.

"As garotas se identificam com a fantasia," ela diz. "Ela fala com a parte das garotas que quer ser uma princesa, desejando que algo louco e mágico aconteça."

Nenhum comentário:

Postar um comentário